Editorial

O som do Vale do Jequitinhonha pelos solos da América Latina

Eliezer Gonçalves é mineirinho de Coronel Murta, cidade do Vale do Jequitinhonha e iniciou seus trabalhos em 2015 com o disco “Afinal tudo é subjetivo?”, quando também chegou à capital Belo Horizonte para começar a sua busca pelo reconhecimento e difusão do amor pela música.

Apesar do pouco tempo de banda, vários investimentos já foram feitos para divulgar o trabalho. Do primeiro disco, com um pano de fundo que mescla as vivências entre romances e amizades, passando por videoclipes muito bem produzidos como em “All Star” e “Aqui abaixo do sol”, lançamento do segundo EP “O moço”, uma obra introspectiva baseada em suas vivências, participações em festivais até uma turnê pela Bolívia e pelo Chile. Ufa! Quanta coisa boa!

Ficou bem claro pra gente o quanto o Eliezer ama o que faz e corre atrás do seu sonho. Isso nos dá uma boa dose de ânimo! Obrigado por nos inspirar! Confira o recente trabalho dele, o EP “O Moço”:

Apoio à cena cultural da cidade

Além disso, o Eliezer e os músicos que o acompanham, Paulinho Almeida na Guitarra, Isaque Oliveira no Baixo e Guilherme Pinto na Bateria, estão todos envolvidos em movimentos culturais que fomentam a expressão e a cena autoral da cidade.

Paulinho, por exemplo, é também idealizador do programa “Apto Session”, em que artistas locais se apresentam por meio de um registro bem detalhado — contribuindo, assim, para a divulgação dos trabalhos.

Já Guilherme possui atualmente 2 projetos em andamento, com o intuito de promoção da cultura e, além do mais, é pesquisador de micro cenas.

Parabéns, moçada. Acreditamos fortemente também que esse é um grande passo para fazer com que as portas do rock autoral se escancarem de vez: estar presente, de forma constante, nos movimentos culturais que acontecem na cidade. Não só querendo colher os louros de uma cena unida e viva, mas também contribuindo com suas próprias vivências e bom som!

Obrigado por participar do Editorial Banda da semana, Eliezer e Banda! Foi um prazer poder conhecer um pouco da história e do trabalho de vocês e divulgá-lo aqui no blog do Rock Startup! Nos vemos por aí e conte conosco!

Se você gostou do som do Eliezer, comente aqui embaixo! Para contato:

https://www.facebook.com/eliezergoncalvesoficial/

Padrão
Editorial

BANDA ALDERSGATE REÚNE ARTE E FILOSOFIA POR UM MUNDO MELHOR

Os irmãos de Santa Bárbara d’Oeste, no interior de São Paulo, Gesse e Gesiel sempre tocaram juntos. Por isso, montar uma banda foi a consequência mais esperada dessa parceria.

Depois de algumas tentativas furadas e dificuldades em achar outros músicos para acompanhá-los, a dupla fundou a Aldersgate em 2016  — banda de rock alternativo e que possui esse nome devido à história de John Wesley, líder do movimento metodista, que em 1738, ao andar por uma rua homônima em Londres, na Inglaterra, teve a experiência conhecida como “coração aquecido”.

Essa história remete a uma circunstância em que o teólogo diz ter sentido que Deus havia perdoado seus pecados.

http://www.christianitytoday.com/

Para a banda, a vivência naquela rua está bem relacionada com o que eles acreditam vir a realizar: “Temos uma síntese clara entre uma mensagem evidente para o mundo e para as pessoas de hoje, e uma visão consciente do papel da arte enquanto veículo de ideias, expressão e beleza. Na prática, além das letras, usamos os arranjos para mostrar isso de uma forma única, tendo como influência grandes artistas do passado e também lendo o nosso tempo, por fim transmitindo todos esses sentimentos em cada melodia.”

Outro ponto bem marcante na história dessa dupla é o poder de transformação que eles enxergam na arte: ““..Fazemos arte sem justificativa (ela não precisa), mas com justificação. É com a justiça, com a verdade, com a beleza, que sonhamos. O que esperamos não podemos ver com os olhos ainda, mas podemos já viver, podemos sonhar, e podemos sorrir.”

O sucesso de um single que foi uma grande surpresa

Em 2016, a banda que hoje é formada pelos irmãos Gesse e Gesiel, Guilherme Costa (baixo) e Caíque Resende (bateria), lançou o single “Amanheceu” no youtube, para a divulgação da formação e para a surpresa de todos, ele foi um sucesso bem acima do esperado.

Eles atribuem esse reconhecimento à qualidade musical da gravação, que hoje possui mais de 2,500 mil visualizações em seu canal oficial. Confira:

O sonho dessa moçada não é muito diferente da maioria dos músicos: tocar nos principais eventos de música alternativa do mundo, sempre disseminando os ideais da banda, assim como mostrando uma arte de qualidade, que expresse esperança.

“…Somos fruto de um projeto maior que está acontecendo na história humana. Olhando para Ele, vemos o mundo (e também as artes) de uma nova forma, e assim trabalhamos e vivemos.”

O Rock Startup ficou muito feliz de conhecer mais essa história extraordinária e se impressionou com a consciência desses meninos e claro, com a qualidade de suas letras e música!

Nunca deixem de acreditar, Aldersgate! Nós também não deixaremos! Sucesso sempre, desde a nossa galera de cá. Nos vemos qualquer hora!

Se você se interessou pelo som dos meninos, aqui vão todas as informações necessárias para contatá-los!

Contato

Facebook | https://facebook.com/AldersgateMusic

Instagram | https://instagram.com/AldersgateMusic

Youtube | https://www.youtube.com/channel/UCEkdDIyZfUhOOpT-aFAZNaA

Deezer | http://www.deezer.com/br/artist/10164464

Spotify | https://open.spotify.com/artist/6bATQQ9SrRyXbES5P4auC7

 

E-mail | aldersgatemusic@gmail.com

Contato | (19) 98225-1782

 

Padrão
Editorial

Paralelo a trabalho autoral, banda de Contagem realiza documentário pela memória do Conexão Contagem Alternativa

Movimento surgiu nos anos 80 e representou uma importante marca do rock’n roll autoral na cidade

 

O Verbo Vitrola Motor Band é uma banda de rock autoral mineira, da cidade de Contagem, que surgiu quando quatro jovens resolveram se unir a um músico 20 anos mais velho que há tempos estava parado na carreira. Hoje a formação da banda tem Jonatah Cardoso na guitarra e nos backings; Anderson Ribeiro nos vocais; Lucas Mendonça nos teclados; Gustavo Bequadro no baixo e Samuel Fonseca na batera.

 

Com influência do rock e do blues dos anos 50 a 70, a banda tem se mantido firme na paixão comum que é a música, mesmo com as trocas de integrantes que, segundo eles, são sempre “traumáticas”. Estão trabalhando em seu trabalho autoral que deverá ser lançado entre o final deste ano e no início de 2018. Já participaram de alguns festivais pelo estado de Minas Gerais, tendo garantido o segundo lugar no Festival de Música de Diamantina/MG.

Paralelo à construção do CD Autoral, que representa hoje o maior sonho do vocal Anderson Ribeiro, que participou do movimento, a Verbo está se dedicando a um outro trabalho muito legal: o documentário em Tributo ao Conexão Contagem Alternativa.

 

O Documentário

A ideia do documentário surgiu em 2015 a partir de uma reportagem feita pelo jornalista Victor Machado, que entrevistou artistas de Contagem e reviveu questões sobre a história do rock na cidade. Com isso, o nome do movimento Conexão Contagem Alternativa foi lembrado e reacendeu um sonho antigo dos membros da banda de poder retratar essa história em um documentário.

Com isso, em 2016, através da lei de incentivo municipal (FMIC), a Verbo Vitrola Motor Band realizou um show Tributo tocando as músicas das bandas que participavam da Conexão nos anos 80/90. Esse show fará parte do documentário que também contará com entrevistas exclusivas com artistas e com o público que participou do movimento à época.

 

Conexão Contagem Alternativa

Foi um movimento criado pelo união de 4 das mais atuantes bandas de rock de Contagem nos anos 80/90. Eram elas:

  1. A Urbi Er Orbi
  2. Paz Armada
  3. Cartel de Medelum
  4. Ato Rebys

Leia um trecho poético de como eles mesmo definem como e sobre o que foi o movimento:

Com uma legião de amigos/fãs, essa trupe caminhou e cantou por um bom tempo por estas terras das abóboras e, inclusive, derramou-se sobre suas margens, levando o rock de Contagem por várias cidades mineiras. Após muitos anos, e depois de uma árdua coleta de material referente à época, chegou a hora de contar nossa história a uma cena pobre e com fome de cultura. Quem viveu vai, com certeza, se deliciar com estas inesquecíveis lembranças. E quem por lá não esteve, saibam que existimos, sim senhor!

Deixando as lembranças, é nesta “cena pobre e com fome de cultura” que o Verbo Vitrola Motor Band se situa hoje. Quase questionados sobre o que lhes dá prazer nisso tudo, eles foram categóricos: “A Verbo gosta mesmo é de estar nos palcos onde pode mostrar toda a sua energia e vontade. Lá o papo é direto: banda e público são um só”.

Você conheceu ou viveu o movimento Conexão Contagem Alternativa? Conte das suas lembranças aqui pra gente nos comentários!

Vida longa ao Verbo Vitrola Motor Band!

Para saber mais sobre o movimento é só visitar: www.conexaocontagemalternativa.com.br

Padrão