Debates

3 fatos sobre a música atual que lhe farão entender a importância de pensar em rede

  • 1. A nossa forma de se comunicar mudou

Se você nasceu principalmente antes dos anos 90, sabe o que significava ter um CD do seu artista preferido: a emoção de juntar dinheiro para comprar (sim, era bem caro); ouvir o cd todo e descobrir as faixas que não tinham estourado no rádio e que você ainda não conhecia; ler as letras no encarte; comprar um cd por causa de UMA música; não pular muito perto do som porque a música podia deixar de tocar com o movimento…

Todos esses detalhes, além de serem bem nostálgicos de se lembrar, nos diz muito de como era a indústria da música antes da Internet. Um ponto muito importante e que diferencia todo o cenário é a obrigatoriedade de um INTERMEDIÁRIO nesse processo todo. Ou seja, para comprar algum produto cultural de um artista, seja um CD ou um livro, a gente necessariamente precisava que ele lançasse o seu conteúdo através de uma gravadora ou de uma editora.

Com a criação e a difusão da internet, podemos descobrir, conhecer e possuir um produto de um artista diretamente dele. SEM INTERMEDIÁRIOS. Só basta que ele disponibilize isso em uma plataforma online. Você é capaz de escutar uma música de qualquer parte do mundo, montar uma playlist com o seu nome e a sua cara, saber o que seu artista preferido faz além da música, ter mais de um artista preferido, levar bytes e bytes de música em seu bolso sem nenhum peso e etc.

Isso modifica de maneiras incontáveis o ambiente essencial para a música existir, isto é, a nossa cultura. Então, seja você um nostálgico ou não, não dá pra negar que o processo de comunicação em rede está influenciando inclusive o modo que você está PENSANDO nesse exato momento. Quem entender isso e aplicar de modo criativo vai sair em vantagem.

  • Você é dono do que você produz?

Todo esse cenário, por facilitar a difusão das produções culturais, dificultou por um outro lado, o controle de autoria das obras. Isso gera um enorme debate, já há alguns anos, sobre propriedade intelectual e direitos autorais.

Muito há para ser discutido, muitos pontos a serem considerados, mas o que não podemos negar é: essa é uma realidade, não especulação sobre um futuro distante. Qual maneira criativa teremos diante disso?

As produções culturais, seja uma música ou um livro, ao contrário de uma bicicleta, não deixam de ser suas se você as repassa a alguém. Elas podem estar na vida de milhares de pessoas sem que você fique menor por isso. Isso NÃO quer dizer que não devamos valorizar e incentivar o indivíduo criador, apenas aponta para um cenário que coloca em cheque a FORMA de remuneração de seu processo criativo e de sua produção cultural. Ainda não temos uma resposta para essa questão, mas podemos refletir melhor a respeito da importância de pensar a sua produção dentro da realidade da economia compartilhada e do estar em rede.

  • Não existe UM grande mercado, mas mercados

Um dos melhores lados dessa história toda é a questão de ESPAÇO. O espaço virtual, como o próprio nome pressupõe é virtual e não físico, por isso não limita a postagem de conteúdos. Então há, em teoria, espaço para todo mundo se expressar, não há fronteiras de gêneros musicais, de localidade e afins. Você pode tocar do seu quarto, gravar e divulgar para o mundo todo.

Isso nos faz medir de forma diferente a noção que tínhamos anteriormente do que significava o sucesso de uma banda. Hoje, fazer sucesso não é necessariamente tocar no horário nobre da Rede Globo. Existem nichos de mercado e você pode fazer o seu produto vingar ao gerar VALOR para as pessoas de determinado nicho. E você é capaz de atingí-las pelas infinitas ferramentas de marketing e publicidade que podemos encontrar online gratuitamente.

Isso não quer dizer que devamos desconsiderar as mídias tradicionais. Não, elas ainda possuem enorme influência na sociedade e tamanho alcance. Tocar em horários nobres ainda é um grande negócio. Mas a ordem se inverteu: anteriormente, você deveria convencer uma mídia de que você deveria ter espaço e se ela não quisesse, ela poderia te boicotar. Nos dias atuais, você CATIVA sua audiência online de forma independente e daí passa a ser interessante para ela.

Esses foram alguns pontos que consideramos bons para começar a pensar a partir dessa nova realidade. Você considera algum essencial que não citamos? Comente aqui embaixo e vamos enriquecer esse debate! =)

Abraços,

Marcela do Rock Startup Festival.

 

Padrão