Empreender na Música

5 perfis de músicos que ajudam no insucesso de uma banda

Durante o mês passado, lançamos uma série de posts que diziam “marque aqui o integrante da banda que é o mais…(perfeccionista, medroso, atrasado etc.)”. Além da brincadeira para gerar uma interação entre os músicos nas redes, o propósito desta campanha foi levantar o quanto alguns hábitos ruins, por estarem estigmatizados e terem até virado zoeira, podem estar afetando a sua banda por não deixar focar no que realmente importa!

Do ponto de vista da cultura empreendedora, nós entendemos que tudo começa a partir da sua postura e não acreditamos em desculpas para deixar de fazer acontecer. O que é preciso é usar os recursos disponíveis, mesmo que escassos, de forma inteligente e não simplesmente sair dando murro em ponta de faca, sem medir as consequências.

Para abrirmos um melhor diálogo a respeito disso, separamos a seguir 5 principais hábitos que podem estar fazendo com que sua banda esteja tendo insucesso. Confira:

1.   Aquele que não quer arriscar

Ter uma banda é ter um negócio que pode valer muito nas mãos. E aqui estamos nos referindo ao valor financeiro, mas também ao valor sensível e simbólico que isso pode trazer para a vida das pessoas. Portanto, ao fazer arte e criar a sua música, o seu som, você já está escolhendo necessariamente a alternativa menos cômoda: a de criar suas próprias trajetórias, ao invés de seguir as dos outros. A de mostrar o que você tem em você e ser exposto a tudo, julgamentos ruins e bons, por isso.

Só por estes motivos, encarar o processo de ter uma banda autoral e querer levar isso de forma séria, para que dê retorno concretos, tanto em questão de números de fãs quanto em sucesso de vendas, já é um grande desafio.

Porém, o medroso nunca quer correr riscos e só aceita caminhar na profissão depois que algum outro artista validou um caminho e ele viu que dá certo.

Não adianta ser um músico com uma postura muito receosa diante das coisas, pois é preciso entender que não existe UM caminho certo, mas sim possibilidades e se você acredita nelas, você deve encarar os riscos. Aliás, algo que conta MUITO na conquista dos fãs é a autenticidade, ou seja, fazer algo de uma forma que ninguém nunca fez. E isso só é possível correndo riscos…

Claro que isso não significa não medir nunca as consequências, estamos falando de riscos calculados,  mas isso é papo pra outro tópico…

2.   Aquele que não aceita errar

Logo depois do perfil do medroso, vem o do perfeccionista. Esse é o tipo de músico que, certas vezes, chega até a se destruir para tentar aproximar do que ele considera perfeito. Um perfil assim é bastante complicado, pois geralmente cria atritos com os outros músicos exigindo demais deles ou até mesmo de si próprio, o que acaba pesando muito o ambiente para a criação saudável. E o pior, na maioria dos casos, o perfeccionista tem a sua ideia de perfeição fechada e qualquer coisa que ameace isso pode tirá-lo do sério.

Atenção! Querer fazer as coisas da melhor maneira possível, da forma mais séria e compromissada, não é ser perfeccionista. O que estamos falando é daqueles que não aceitam que sempre algo vai sair do controle e que shit happens. Vão ter dias em que não será o melhor show da banda, por diversas razões, e isso é a realidade, não tem como mudá-la e está tudo bem! Portanto, é importante saber aceitar melhor as limitações próprias e a dos outros.

3.   Aquele que é nunca chega na hora marcada

No Brasil, é até difícil falar sobre isso, já que, infelizmente, esse mau hábito está bem arraigado em nossa cultura — o que faz parecer que isso é normal. Parece inclusive que estamos exagerando em achar que aquele integrante que chega atrasado sempre (porque O atrasado é sempre atrasado) nos ensaios, shows e demais compromissos não está agindo errado e que não tem nada de mais. Apesar disso ser comum, isso é muito grave e pode até fazer com que contratantes e investidores desistam de apostar na sua banda, por exemplo.

Além do mais, chegar atrasado nos compromissos de uma BANDA é afetar negativamente todos os integrantes e não somente a si. Ei, atrasado, não seja egoísta, você não está sozinho. Pense nisso!

4.   Aquele que não mede as consequências

Ao contrário do medroso que não quer nunca arriscar e só quer seguir passos já validados por outras bandas e artistas, esse perfil aqui quer ir fazendo e não importa as consequências. Está claro que o problema aqui são os extremos, né?


Deixar de medir as consequências é uma forma insensata de usar a energia criativa que sua banda tem e pode acabar frustrando muito a todos, se analisarmos a longo prazo.

O ideal é usar toda essa paixão e vontade de fazer acontecer de forma mais otimizada possível, isto é: conseguindo ir mais longe, com o menor gasto de energia possível correndo riscos calculados!

 

5.   Aquele que só toca por diversão

Uma banda só de pessoas que só tocam para diversão, para se encontrarem no fins de semana não é o problema. Porém, uma banda que quer viver de música e que tem um integrante que não leva aquilo muito a sério e acredita que essa profissão nunca vai dar dinheiro, pode prejudicar e muito os outros que querem fazer acontecer.

Esta é, basicamente, uma questão de alinhamento, mas não deixa de ser um fator que pode prejudicar.

 

Esses foram alguns perfis que selecionamos como podendo ser prejudiciais para a sua carreira na música.

Esperamos que todos esses hábitos citados, que podem estar arraigados, em menor ou maior grau em você, possam fazer você pensar melhor a respeito da sua postura diante da sua carreira. Qual parte do que você faz realmente está influenciando nos resultados que vocês estão colhendo?

Você pensou em algum outro que não comentamos aqui? Comente aqui em baixo:

Padrão

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *