Editorial

Sociedade Crua: música sem fronteiras

O editorial dessa semana conta a história da “Sociedade Crua”, uma banda que nasceu em 2011 aqui em nossa cidade, Belo Horizonte. Desde o início, a proposta do grupo foi apresentar uma crítica social por meio de suas músicas, por isso a escolha do nome, que remete à ideia de que as pessoas estão sempre amadurecendo.

Eles se auto definem como sendo “uma banda de contrastes, subjetiva, mas direta na sua musicalidade”.

Também destacam suas origens, vindas da periferia e afirmam que se não fosse o trabalho duro e a grande dedicação, talvez não teriam conseguido superar as dificuldades do caminho.

Ao longo desses 7 anos, trabalharam bastante até decidirem gravar o seu primeiro disco intitulado “Novembro” e foi a partir do lançamento deste que realizaram sua primeira apresentação no programa de TV “Caleidoscópio”, em 2012.

Daí para frente foram muitos shows realizados, muitas participações em projetos culturais, tocaram em praças, parques, centros culturais, casas de shows, teatros e na TV. Além de que, não podemos deixar de salientar importantes conquistas como o 1º lugar no Festival N2 de Lagoa Santa no ano de 2013 e o prêmio em um concurso que fez com que eles recebessem uma guitarra assinada pelo biquini cavadão.

Recebendo a guitarra assinada pelo Biquini Cavadão

Atualmente, a banda busca se firmar no cenário nacional e ter sua música reconhecida pelas pessoas.

O desafio de propor o novo

A banda, que desde 2013 é formada por Rafael Reis (Guitarra e Voz), Ronaldo Araújo (Voz e Percussão), Douglas Leal (Bateria e Voz) e Silas Lopes (Baixo e Produção), possui um estilo com influências claras de Rock e MPB, agregando estilos como Progressivo, Country, Blues e Pop.

Confira o último vídeo oficial divulgado pelo grupo:

“quero tanto ter, sentir o universo se aproximar, navegar nas ondas desse sonho…”

Uma mistura que para muitos poderia ter dado muito errado, mas que deu muito certo com eles! Na prática, eles pegaram um pouco do Metal (influência do Baterista), do Pop (Baixista), do Rock 80’(Vocal) e do Sertanejo (Guitarra).

Em nosso ponto de vista, há uma resposta para isso ter funcionado tanto: eles superaram as barreiras do preconceito de gêneros musicais e fizeram o próprio som! Puramente Genuíno e Inovador e isso é sensacional!

Esperamos que essa história tenha feito você pensar mais profundamente sobre a real existência de barreiras musicais. É imprescindível que quebremos qualquer tipo de preconceito se quisermos fazer a verdadeira arte!

Obrigado por nos contar um pouco da história de vocês, Sociedade Crua! Esperamos que cresçamos e amadureçamos juntos e que o sonho de vocês se aproxime mais!

Gostou do som? Para conhecer melhor os últimos trabalhos da banda, é só acessar:

Contatos e Links

E-mail: sociedadecrua@gmail.com
Telefone: (31) 98772-5775 – Ronaldo
Website: sociedadecrua.webnode.com/

Mídias Sociais
Facebook
Instagram
Twitter
Linkedin
Mapa Cultural BH

Streaming
Spotify
Deezer
Soundcloud
Palco MP3

Padrão
Editorial

Editorial Banda – Evil Matchers

Tocar com o Richie Ramone? Sem chance.. Espera, tá falando sério?!

3 de Setembro de 2016. O telefone tocou e do outro lado da linha:

  • É da banda Evil Matchers?
  • É sim, por que?
  • Vocês querem abrir o show do Richie Ramone?

Pera, pera, pera! Vamos rebobinar a fita!

 

Evil Matchers: quando tudo começou

Em 2013, na cidade de Belo Horizonte, uma galera “já rodada” na cena se juntou e montou a Evil Matchers. O principal objetivo era para fazer um som que eles não viam muito ser tocado na cidade. Como a maioria das bandas no início, enfrentaram dificuldades até consagrar uma formação sólida, que só veio um ano depois, em 2014, com Luiz “Gringo” Bueno (Guitarra e Voz), Leo Alves (Baixo e Voz), Victor “Punkerage” Oliveira (Guitarra & Backing) e Luis Borges (Bateria).

Possuem um estilo agressivo, energético e forte, bem voltado para o Punk-Rock, passando pelo Glam, Hard e Garage Rock, com influências de bandas como Ramones, Stooges, Turbonegro e The Hellacopters.

Já participaram de programas, entrevistas, projetos, como: Lobos na Cena, Kaptain Underground, matéria do Hits Perdidos, Nada Pop, Caleidoscópio e por aí vai. Além disso, estão fazendo shows por todo o Brasil e abrindo para artistas famosos como Supla e o Lendário Richie Ramone, baterista do Ramones.

Em 2017, conquistaram a premiação de melhor banda do BH Tattoo Festival, edição em que concorreu com mais de 100 artistas e contou com Terence Machado (Alto Falante), Paulo André (Abril Pro-Rock) e Rodrigo Garcia (Cartoon) como jurados. Além de tudo isso, tiveram a oportunidade de tocar no mesmo palco que a banda Dead Fish!

Hoje essa galera sonha em tocar com o Iggy Pop e apresentar a música que fizeram para ele:
Iguana – Evil Matchers – Ao vivo no BH Tattoo Festival

Bom já vimos que só basta querer, né?! Além disso, buscam fazer sucesso na cena Underground, aumentar o público e tocar em várias partes do Brasil (se liga na matéria que fizemos sobre isso!)

É aqui que o Richie Ramone entra na história….

3 de Setembro de 2016. Richie Ramones ia se apresentar no Ramones Rock Fest em Belo Horizonte e quando os caras da banda ficaram sabendo do show até brincaram:

  • “Seria foda a gente abrisse esse show!”.

Mesmo incrédulos, pesquisaram os responsáveis pela organização, encontraram e mandaram o material da banda solicitando uma oportunidade de abrir o show. Quando menos esperavam, o celular tocou: era a produção do evento convidando os caras para abrirem para o Richie Ramones! Eles nos contaram que chegaram a tremer de emoção com essa oportunidade! Não é pra menos, né?!

Já no dia do evento, foi uma experiência única! Os Ramones trazendo o som lendário da banda e os caras da Evil Matchers tocando no mesmo palco que eles, com a bandeira da águia de fundo!

No pós show, ainda se preocuparam em fazer um belo Networking com as outras bandas (ponto positivo para a Evil Matchers!) e no fim ainda conseguiram trocar uma ideia rápida com o Richie. Uma noite perfeita e inesquecível para os caras!  
Como se não bastasse, ainda aproveitaram alguns takes que o videomaker Diogo Dias fez da banda e lançaram o primeiro videoclipe da banda  “Headfuck Baby!”. Confira o resultado:

Evil Matchers – Headfuck Baby (Video Clipe Oficial)

Hoje a banda segue com o seus projetos e definem a banda assim:

“A melhor, a bem mais vestida e a banda mais AGITO do Brasil no momento!!!”

Trabalhos da Banda

2015 – EP Burning Baby
2016 – Videoclipe Headfuck Baby
2017 – Videoclipe Sempre Eu
2017 – Videoclipe Promessas Sujas
2018 – Vem lançamento de um novo disco para o segundo Semestre!

Os Próximos shows!

10/02 – Itabirito Folia 2018, Projeto Experimente
13/02 – Rock ‘N’ Beer na Savassi
10/03 – Rock In Lidio 5 Edição no Stonehenge Rock Bar

Contatos e Links

E-mail: evilmatchers@gmail.com / contato@evilmatchers.com
Telefone: (31) 99928-0283 (Luis)
Website: www.evilmatchers.com

Mídias Sociais:

Facebook
Instagram
Twitter
YouTube

Streaming:

BandCamp
Spotify

Padrão
Empreender na Música

4 profissionais dos bastidores de um show que você deve conhecer

Na semana passada, postamos uma matéria muito legal sobre como “meter o louco” e tocar por várias partes do Brasil. Se você ainda não leu, corre lá que está muito bom, cheio de dica de ouro para você e sua banda.

Ok, vimos que um grande gargalo é como tocar por várias partes do país. Porém, depois de entendido como fazer isso, é importante que se entenda um pouco mais sobre os bastidores de um bom show.

Para isso, separamos 4 profissionais da área musical que você tem que conhecer se quiser trabalhar da melhor forma na estrada. Confira:

1. Roadie

A palavra “roadie” é derivado de “road”, que em inglês significa estrada. Só por esse começo já é possível supor que esse cara vai ser imprescindível quando você e sua banda começarem a cair na estrada, não é?

Pois é, o roadie é parte essencial no caminho da profissionalização de uma banda. Ele vai ser o responsável por montar os instrumentos e certificar que o rider técnico foi cumprido. Essas são algumas atividades que dependem dele:

  1. Transportar os cases e malas com todos os instrumentos (da van pro local do show e vice e versa);
  2. Montar e organizar os equipamentos no palco;
  3. Afinar os instrumentos e deixar tudo pronto para a passagem de som;
  4. Se houver montagem de cenário, luzes e gravação de vídeos, ele também dá todo o suporte.
  5. E durante o show, é ele quem irá salvar a sua pele se a corda arrebentar.

O ideal é que cada banda em atividade tenha um roadie próprio. Porém, sabemos que no cenário underground a realidade é um pouco diferente, principalmente pela baixa capacidade de investimento das bandas, que acaba topando fazer todo esse processo para evitar custos.

A nossa dica é: inclua o valor do roadie no momento de fechar com a casa de show. Se o show não for remunerado, invista em levar um roadie em show maiores e que possam trazer mais resultados para a marca de vocês. Ou seja, use os recursos que dispõe de forma estratégica.

2. Técnico de som

Esse é um tópico importante, pois a comunicação com o técnico de som é motivo de muitas brigas e desgastes. Para quem ainda não sabe, o técnico de som, como o próprio nome sugere, é o responsável pelo som da casa de show e deve ser um parceiro de vocês.

Na maioria dos concertos, o encontro com esse profissional vai se dar bem antes do show em si, no momento da passagem de som. (Leia esse nosso post em destaque e saiba como fazer isso de forma mais profissional possível!)

IMPORTANTE: O bom ou mau entendimento com ele vai influenciar diretamente no resultado do seu show para o público. Portanto, saiba conversar e alinhar todas as demandas de som que sua banda possui!

3. Produtor de eventos

Se você está rodando pelo país para difundir sua música, certamente vai encontrar vários produtores de eventos por aí. Eles trabalham de forma independente (criando seus próprios festivais) ou prestam serviços para casas que precisam de música ao vivo de forma recorrente.

É importante saber da existência desse profissional que é o maior responsável por toda a gestão e realização de um evento. Inclusive, se algo der errado antes, durante ou após o show é ele que você deve procurar em primeira mão. Confira abaixo algumas atividades-chaves desse cargo:

  1. Gestão de toda a logística de um show;
  2. Responsável pela programação das apresentações;
  3. Acompanhar o andamento do evento, para garantir que tudo saia como previsto.
  4. Fechamento de contrato com as bandas, definindo direitos e obrigações da mesma.

4. Diretor de Palco

Deixamos para citar esse profissional por último, não porque ele não seja importante. Mas é que em mercados independentes, principalmente em países com pouco incentivo como o Brasil, é difícil encontrar um Diretor de Palco por causa dos baixos recursos disponíveis. A não ser em grandes festivais e em show de bandas que já são consagradas. Geralmente, essa função acaba sobrando para o roadie também.

Porém, se você almeja alcançar a profissionalização de seu trabalho na música, é muito importante que você saiba o que e como um Diretor de Palco pode te ajudar em turnês ou em shows isolados.

Como o nome já sugere, ter um profissional desse ao lado é garantir que tudo o que acontecerá no palco, desde montagem de equipamentos à luz e vídeo, vai estar sendo coordenado por alguém. Ele será o destinado a:

  1. Alinhar com a produção das casas todos os recursos disponíveis;
  2. Coordenar todos os profissionais atuantes no palco (profissional de luz, profissional de câmera etc.)
  3. Certificar que tudo ocorra como planejado, sempre levando em consideração as limitações do espaço de apresentação.

Esses foram alguns profissionais relacionados aos bastidores de um show que achamos importante destacar. Você sabia da existência de todos eles?

 

Existe algum outro que não citamos e que seja indispensável para a realização de uma apresentação impecável? Comenta aqui embaixo!

Padrão