Editorial

Rocket Five: uma banda que realmente trabalha em conjunto

Nascida em 2014, mas com uma pegada anos 70, a Rocket Five, banda do Editorial desta semana, surgiu a partir do encontro de alguns amigos e também de algumas procuras nas redes sociais, que ajudou os integrantes a encontrar seus guitarristas oficiais!

Depois de dois anos tocando fervorosamente na cena de Campinas, eles compuseram, gravaram e lançaram o primeiro EP da banda intitulado “Rocket Five”, que aliás foi uma das experiências mais marcantes e importantes da vida deles. Hoje, a banda se encontra no processo de gravação independente do seu 1º álbum intitulado “On The Move”, que deve ser lançado ainda neste semestre!

Além disso, possuem o sonho de tocar nos grandes festivais pelo mundo! Estão na lista: Rock in Rio, Monster of Rock e Lollapalooza — que tem no seu criador “Perry Ferrel” um grande exemplo de empreendedor.

A banda é caracterizada pelo Hard Rock dos anos 70 e se inspiram em bandas como Deep Purple, que, aliás, é a banda em que eles mais se inspiraram, principalmente por conta dos teclados. Porém, também possuem influências em Black Sabbath, Led Zeppelin!

5 integrantes, 5 vozes

Uma das características que mais chamam a atenção na banda é a versatilidade de vozes, visto que todos os integrantes assumem os vocais principais em determinadas músicas. Além do mais, todos participam ativamente também do processo de composição e arranjos, o que encorpa e faz das músicas um trabalho realmente em conjunto. Tá curioso? Veja como fica o resultado dessa mistura abaixo:

Em nossa conversa descontraída, eles nos contaram que cada um vê a vida de uma forma, possuem rotinas diferentes, profissões diferentes e tudo isso contribui para que a composição seja completa e única, algo que eles consideram ser responsável por grande parte de sua autenticidade. Essa é uma característica que nasceu até um pouco pela necessidade, já que não tinha na banda um vocalista 100% frontman, então decidiram que todos seriam esse cara em determinadas músicas. Desta forma, em diferentes canções um assume o vocal principal e em outras assumem até dois fazem esse papel.

Obrigado por participar do Editorial Banda desta semana, Rocket Five! Ficamos contentes de poder ter uma maior aproximação com vocês, para além dos trabalhos que vocês fazem. Parabéns pela autenticidade na forma de fazer o que vocês se propõem a executar! Boa sorte e contem com o Rock Startup nessa caminhada!

Integrantes da banda

Leonardo Meliani – Voz/ Órgão/ Teclados
Ricardo Marks – Voz/ Baixo
Júlio Pilenso – Voz/ Bateria
Eduardo Haszler – Voz/ Guitarra
Bruno Jorge – Voz/ Guitarra

Trabalhos da banda

2016 – EP “Rocket Five”
2016 – Videoclipe da música “Goin’ Everywhere”
2018 – Lançamento do Álbum

Contatos e links
E-mail: rocketfive@outlook.com
Telefone: (19) 98428-1668
Website: https://rocket-five-release.webnode.com
Agência: http://www.msmetalagencybrasil.com/ptbr/artista-rocket-five/

Mídias Sociais
Facebook | Instagram
YouTube

Streaming
iTunes | Spotify | Deezer
Google Play | Soundcloud

Padrão
Editorial

Depois de mais de 10 anos de hiato, Moskkana vem abrindo caminho na cena independente

A Moskkana é uma banda que foi formada em Jundiaí – SP em 2004, porém só pegaram realmente pra valer em 2016. Foi nesta época que os músicos Ivan Negri (Guitarra/Vocais), Leandro (Guitarra), Marco Lima (Baixo/Vocais) e Zé Alberto (Bateria), já cansados de tocar cover, sentiram a necessidade de criar seus próprios versos e fazer com que o mundo se sentisse tocado por suas canções, depois da entrada de Nando Perlati (Vocal/Violão) no projeto a banda foi fundada.

E essa estrada tem dado cada vez mais certo! Em janeiro deste ano, tiveram a oportunidade de abrir o show da icônica banda paulista Gloria! O show rolou lá em Jundiaí mesmo, no Aldeia Bar, e eles tocaram fervorosamente para centenas de pessoas!

Em nossa conversa, a Moskkana ressaltou que esse show foi muito importante, pois o público presente nunca tinha visto a banda tocar e ao final do show, várias pessoas foram lá no palco para conhecê-los de perto. Além disso, ao final do evento, eles ainda trocaram uma ideia com os caras do Glória e esse compartilhamento de experiências foi muito importante! Enfim, esta noite é tida como um marco para a banda e o começo de uma nova fase que entrou pra história.

Moskkana faz parte da programação na Rádio Rock

Uma das mais recentes conquistas do grupo foi conseguir espaço em grandes rádios, entre elas a 89FM, a Rádio Rock de São Paulo e a 66 Brasil FM. Além de estarem a todo vapor preparando o lançamento de um novo EP no segundo semestre de 2018!

Quando perguntamos como eles se definem, foram enfáticos:

“Uma banda que preza pela qualidade das músicas, sempre procurando entregar o melhor possível de todos!”

Os principais planos daqui pra frente é conseguir viajar por todo o Brasil, tendo seu trabalho reconhecido e uma agenda lotada! Vida longa à Moskkana…obrigado por participar do Editorial Banda desta semana e conte com o Rock Startup para o que for preciso nesta caminhada! Vamos juntos!

Trabalhos da Banda

2017 – Single “Além Deste Anoitecer”.
2017 – Videoclipe da “Além Deste Anoitecer”
2017 – Single e Videoclipe da música “Sem Você”
2018 – No segundo semestre vem um EP aí!

Contatos e Links
E-mail: contato@mdiassessoria.com
Telefone: (011) 98643-8408
Website: www.moskkana.com

Mídias Sociais
Facebook | Instagram
YouTube | Twitter

Streaming
Spotify | Deezer
iTunes | Soundcloud | Google Play

Padrão
Empreender na Música

5 perfis de músicos que ajudam no insucesso de uma banda

Durante o mês passado, lançamos uma série de posts que diziam “marque aqui o integrante da banda que é o mais…(perfeccionista, medroso, atrasado etc.)”. Além da brincadeira para gerar uma interação entre os músicos nas redes, o propósito desta campanha foi levantar o quanto alguns hábitos ruins, por estarem estigmatizados e terem até virado zoeira, podem estar afetando a sua banda por não deixar focar no que realmente importa!

Do ponto de vista da cultura empreendedora, nós entendemos que tudo começa a partir da sua postura e não acreditamos em desculpas para deixar de fazer acontecer. O que é preciso é usar os recursos disponíveis, mesmo que escassos, de forma inteligente e não simplesmente sair dando murro em ponta de faca, sem medir as consequências.

Para abrirmos um melhor diálogo a respeito disso, separamos a seguir 5 principais hábitos que podem estar fazendo com que sua banda esteja tendo insucesso. Confira:

1.   Aquele que não quer arriscar

Ter uma banda é ter um negócio que pode valer muito nas mãos. E aqui estamos nos referindo ao valor financeiro, mas também ao valor sensível e simbólico que isso pode trazer para a vida das pessoas. Portanto, ao fazer arte e criar a sua música, o seu som, você já está escolhendo necessariamente a alternativa menos cômoda: a de criar suas próprias trajetórias, ao invés de seguir as dos outros. A de mostrar o que você tem em você e ser exposto a tudo, julgamentos ruins e bons, por isso.

Só por estes motivos, encarar o processo de ter uma banda autoral e querer levar isso de forma séria, para que dê retorno concretos, tanto em questão de números de fãs quanto em sucesso de vendas, já é um grande desafio.

Porém, o medroso nunca quer correr riscos e só aceita caminhar na profissão depois que algum outro artista validou um caminho e ele viu que dá certo.

Não adianta ser um músico com uma postura muito receosa diante das coisas, pois é preciso entender que não existe UM caminho certo, mas sim possibilidades e se você acredita nelas, você deve encarar os riscos. Aliás, algo que conta MUITO na conquista dos fãs é a autenticidade, ou seja, fazer algo de uma forma que ninguém nunca fez. E isso só é possível correndo riscos…

Claro que isso não significa não medir nunca as consequências, estamos falando de riscos calculados,  mas isso é papo pra outro tópico…

2.   Aquele que não aceita errar

Logo depois do perfil do medroso, vem o do perfeccionista. Esse é o tipo de músico que, certas vezes, chega até a se destruir para tentar aproximar do que ele considera perfeito. Um perfil assim é bastante complicado, pois geralmente cria atritos com os outros músicos exigindo demais deles ou até mesmo de si próprio, o que acaba pesando muito o ambiente para a criação saudável. E o pior, na maioria dos casos, o perfeccionista tem a sua ideia de perfeição fechada e qualquer coisa que ameace isso pode tirá-lo do sério.

Atenção! Querer fazer as coisas da melhor maneira possível, da forma mais séria e compromissada, não é ser perfeccionista. O que estamos falando é daqueles que não aceitam que sempre algo vai sair do controle e que shit happens. Vão ter dias em que não será o melhor show da banda, por diversas razões, e isso é a realidade, não tem como mudá-la e está tudo bem! Portanto, é importante saber aceitar melhor as limitações próprias e a dos outros.

3.   Aquele que é nunca chega na hora marcada

No Brasil, é até difícil falar sobre isso, já que, infelizmente, esse mau hábito está bem arraigado em nossa cultura — o que faz parecer que isso é normal. Parece inclusive que estamos exagerando em achar que aquele integrante que chega atrasado sempre (porque O atrasado é sempre atrasado) nos ensaios, shows e demais compromissos não está agindo errado e que não tem nada de mais. Apesar disso ser comum, isso é muito grave e pode até fazer com que contratantes e investidores desistam de apostar na sua banda, por exemplo.

Além do mais, chegar atrasado nos compromissos de uma BANDA é afetar negativamente todos os integrantes e não somente a si. Ei, atrasado, não seja egoísta, você não está sozinho. Pense nisso!

4.   Aquele que não mede as consequências

Ao contrário do medroso que não quer nunca arriscar e só quer seguir passos já validados por outras bandas e artistas, esse perfil aqui quer ir fazendo e não importa as consequências. Está claro que o problema aqui são os extremos, né?


Deixar de medir as consequências é uma forma insensata de usar a energia criativa que sua banda tem e pode acabar frustrando muito a todos, se analisarmos a longo prazo.

O ideal é usar toda essa paixão e vontade de fazer acontecer de forma mais otimizada possível, isto é: conseguindo ir mais longe, com o menor gasto de energia possível correndo riscos calculados!

 

5.   Aquele que só toca por diversão

Uma banda só de pessoas que só tocam para diversão, para se encontrarem no fins de semana não é o problema. Porém, uma banda que quer viver de música e que tem um integrante que não leva aquilo muito a sério e acredita que essa profissão nunca vai dar dinheiro, pode prejudicar e muito os outros que querem fazer acontecer.

Esta é, basicamente, uma questão de alinhamento, mas não deixa de ser um fator que pode prejudicar.

 

Esses foram alguns perfis que selecionamos como podendo ser prejudiciais para a sua carreira na música.

Esperamos que todos esses hábitos citados, que podem estar arraigados, em menor ou maior grau em você, possam fazer você pensar melhor a respeito da sua postura diante da sua carreira. Qual parte do que você faz realmente está influenciando nos resultados que vocês estão colhendo?

Você pensou em algum outro que não comentamos aqui? Comente aqui em baixo:

Padrão