Empreender na Música

Entrevista: tecladista da banda Shaman conta um pouco da turnê que chegará em BH em Dezembro

Após 12 anos, a banda SHAMAN, formada por ex-integrantes do Angra, resolveu se reunir mais uma vez nos palcos. Para comemorar o encontro, eles saem pelo Brasil com a turnê “Shaman Reunion”, que já está acontecendo desde o dia 22/09 e chegará aqui na capital dos mineiros no dia 01/12.

Batemos um papo com o Fábio Ribeiro, músico, produtor e integrante da Shaman e também da banda REMOVE SILENCE, uma grande banda também ,e que faz parte aqui da rede do Rock Startup. Ele nos contou um pouco sobre sua experiência e também falou sobre o que ele possui de expectativas para a “Shaman Reunion”. Confere aí!

 

– Fale-nos um pouco sobre você, Fábio.

Difícil responder olhando de dentro para fora, haha! Estou aqui desde 1969, praticamente meio século, a maior parte deste período dedicada à música. Faço o que gosto, em primeiro lugar. Então, por sorte, o trabalho sempre foi uma gratificação pelos esforços que para mim são encarados como diversão, experiência e aprendizado. Sou do signo de virgem, dizem que o perfeccionismo e a chatice imperam. Mas já fiz boa parte do tratamento que a vida nos impõe para domar uma coisa em favor da praticidade e outra em favor de mais tranquilidade e bem estar.

 

– Como você define sua participação e contribuição musical para o SHAMAN? Como foi toda essa trajetória com eles?

Fui convidado para fazer os teclados da banda assim que a mesma foi criada em 2001. Foi uma transição natural, já que eu era anteriormente o tecladista do Angra. Com a ruptura em 1999, todos nós estávamos no mesmo barco. Sempre gostei muito de tocar com esta banda, pois o som reflete o tipo de Heavy metal que eu curto de verdade, principalmente a aproximação conceitual e musical do segundo álbum – Reason – o qual considero o melhor trabalho do estilo já lançado no Brasil, independente da minha participação. É um álbum realmente bem diferente em relação a grande maioria, uma sonoridade bastante ousada, principalmente para a época. Foram misturados arranjos clássicos com uma pegada moderna muito distinta, um som mais direto e envolvente que transmite muita personalidade, algo que considero primordial no estilo e que muitas vezes é negligenciado pelas bandas.

 

– Quais as suas expectativas para essa turnê do Shaman?

Para mim, este retorno foi uma enorme surpresa, algo que eu não imaginaria. Outra grande surpresa também foi a forma com a qual nos reintegramos tão naturalmente após tanto tempo. Logo nos primeiros ensaios, já estávamos muito bem entrosados, como se nunca tivéssemos parado de tocar estas músicas.

No início, a ideia era apenas um único show de reunião, como uma celebração. De fato, este retorno aconteceu devido ao amor e a pressão dos fãs, aos quais temos que agradecer muito! Mas a receptividade do retorno foi tão grande que acabou gerando mais datas, que estão sendo acrescentadas cada vez mais. Particularmente, eu espero que isso se estenda para uma turnê maior e, quem sabe, um novo trabalho inédito. Tudo depende destes primeiros resultados.

 

– Quais as surpresas reservadas para o show de abertura e os demais da Turnê Shaman Reunion?

O show terá diversos pontos especiais. Preparamos algumas surpresas para os fãs que curtem Shaman desde aquela época, algumas coisas para despertar mais ainda a sensação de nostalgia. Serão shows muito especiais para todos nós

 

– Sabemos que você faz parte da banda REMOVE SILENCE, nos conte um pouco sobre a banda e os seus trabalhos com ela.

A banda está completando onze anos. O primeiro álbum – Fade – foi lançado em 2009. Este álbum foi pré-indicado ao Grammy nos Estados Unidos, o que foi uma enorme surpresa para nós e outro fato muito gratificante para mim. Em 2012 lançamos o álbum Stupid Human Atrocity. Em seguida, os EPs Little Piece Of Heaven de 2014 e Irreversible de 2015. Recentemente, foram disponibilizados os singles Raw e Middle Of Nowhere, que farão parte do próximo álbum, a ser lançado dentro dos próximos meses.

 

– Além de tecladista, você exerce várias outras atividades paralelas. Conte-nos um pouco sobre isso

Desde o final dos anos oitenta eu atuo na área didática, oferecendo cursos sobre programação de sintetizadores, tecnologia e, mais recentemente, produção musical. No início dos anos noventa, passei a trabalhar com consultoria para grandes empresas fabricantes de instrumentos musicais eletrônicos. Fui o primeiro consultor da Korg no Brasil, em 1993. Em seguida, trabalhei para a Kawai e para a Clavia/Nord. Hoje, sou um dos Artistas Korg no Brasil, que são músicos patrocinados pela marca. Na área de produção, montei o estúdio The Brainless Brothers em 2001, onde atuo como produtor e engenheiro de som. Trabalhamos com produção de bandas, publicidade, trilhas sonoras, dublagem e diversas outras empreitadas musicais, como o desenvolvimento de programas e timbres dedicados para instrumentos musicais eletrônicos. Recentemente, uma das minhas coleções de timbres personalizadas foi incluída como parte integrante do aplicativo Poison-202, um sintetizador virtual para sistemas Mac OS e iOS desenvolvido pela empresa Jim Audio. Este é um dos trabalhos que mais gosto de desenvolver desde os meus primeiros anos como sintesista, quando já costumava virar do avesso os sintetizadores que eu usava. Eu também acredito que os timbres de um tecladista constituem uma parte enorme de sua personalidade musical, então sempre investi muito tempo nestes esforços.

 

E aí, tá animado para ver o show da Shaman em BH? Comenta aqui embaixo um fato marcante envolvendo a banda!

 

Ingressos à venda aqui: https://goo.gl/GJvZ5r


Contatos/Produção

Telefone: 98118-8910 – Sônia – Produção
E-mail: managementremovesilence@gmail.com

Padrão
Editorial

Conheça a Roboto: a banda que tem movimentado o rock independente em BH

Alternando entre canções e músicas instrumentais, o power trio de Belo Horizonte tem feito barulho na capital mineira. A banda foi formada por volta de 2014, em Belo Horizonte, após o desmantelamento da Dee Dees, de rock instrumental, em que três dos integrantes, Breno Assis, Bernardo Novais e Rafael Luciano, formaram a Roboto.

Com uma proposta de unir vários estilos como o punk e o experimental, a banda vem com um som forte e característico de Power Trio. Inspirados em artistas como Sonic Youth, The Stooges e Pelican, eles costumam dizer que o estilo de suas composições vão “do Punk ao Stoner Rock, contando com pitadas de Hardcore e também de Metal”! O que demonstra a dificuldade de definir qual é o som exato que o grupo faz — algo totalmente dispensável em se tratando de boa música! 😀

Preferem se definir como “amigos que amam tocar, compor e se apresentar juntos, que mesmo com influências diferentes, conseguem extrair destas um estilo próprio”. A banda, que passa por uma nova fase agora, acabou de se aliar ao Salitre Records, um selo mineiro independente, e está para gravar dois EP’s, sendo um deles totalmente instrumental e o segundo, que seria uma “parte dois”, totalmente com músicas cantadas.

O show que entrou para a história da banda

Das inúmeras experiências que a banda passou durante esses 4 anos de estrada, a que mais marcou foi a do show de abertura para a Red Fang, conjunto de stoner rock americano que eles são fãs. A escolha foi feita por meio de uma votação online, em que eles foram selecionados, e quando receberam a notícia quase não acreditaram!

A partir daí, foram 4 meses para se preparar para o show — em que eles cuidaram de cada detalhe com muito cuidado: “foi a primeira vez que a gente foi 100% profissional”, nos contaram eles. Investiram em fotos, filmagem, assistentes de palco, técnico de som e, claro, tudo com muito planejamento. Além disso tiveram ensaios mais frequentes, estudo de repertório, preparação de merchandising e etc.

Chegado o dia, foi o momento de curtir todo o trabalho e empenho investidos! Afinal, era a primeira vez da Roboto nos palcos da A Autêntica e isso não tinha como começar melhor: casa cheia, todo mundo curtindo, até os caras do Red Fang estavam lá assistindo cada segundo do show e curtindo pra valer! A repercussão da apresentação foi ótima e saiu até nos jornais, o que acabou por fazer certo barulho no cenário musical de Belo Horizonte.

Nos tornamos outra banda depois dessa experiência.” A apresentação foi uma mistura de desafio, muita preparação, superação e realização! Além do mais, abrir para uma banda em que se tem enorme admiração, não tem preço, né!

Hoje, a Roboto sentiu o amadurecimento que o show proporcionou, estão mais críticos, mais preocupados em fazer um verdadeiro espetáculo! Cuidam agora muito mais da preparação do palco, identidade visual e tudo o mais!

Uma banda que lidera a cena

São várias as iniciativas, movimentos e eventos que a banda promove, seja por conta própria, seja por meio de parcerias! São apaixonados pelo estilo Do It Yourself (Faça Você Mesmo) e procuram sempre divulgar isso entre outros colegas da cena independente.

Todas as iniciativas que a banda participa têm o objetivo de promover a cena musical de Belo Horizonte, gerando networking e conectando bandas com o público. A própria banda que organiza muito dos eventos, dentre eles estão:

  • Festival Independente Vintage 13 – Vintage 13 Pub
  • A Festa “¡Fuego! – Calaveras Bar”
  • Iniciativas junto ao Garagem Rock Bar
  • A festa “Summer Night – Casa do Jornalista”

Além disso, tem a paixão deles: a FUZZ, uma festa que já está na sua sexta edição, que reúne novas bandas em Belo Horizonte, Divinópolis e Itaúna. Esse projeto acabou desembocando na criação de um fanzine impresso, editado por Breno e Bernardo, e que carrega o mesmo nome.

E os caras não param! Há um ano, fecharam uma parceria com a Mutante Rádio e possuem um programa de webradio, semanalmente difundido na rádio de Limeira – SP.

Pra nós, não é só música: uma cena precisa das bandas, dos fotógrafos e filmmakers, das estamparias, da mídia, e claro, de um público que compre a ideia!”

E para nós do Rock Startup, foi uma chuva de inspiração conversar com uma banda tão empreendedora e tão ativa no cenário independente. A Roboto nos mostra, principalmente, que não existe empecilho para quem toma a iniciativa e simplesmente FAZ!

 

Sucesso e vida longa, Roboto! Conte com a gente para o que precisar e que a nossa parceria seja longa!

Trabalhos da Banda

2016 – EP “0001”
2016 – Videoclipe “Se Ao Menos”
2017 – Videoclipe “Aproveite”
2017 – Videoclipe “Flauta Doce”
2017 – Videoclipe “Tempo” – Saiu na Coletânea BH do Barulho!
2018/2019 – Dois EP’s pela Salitre Records a serem lançados!

Integrantes da Banda
Breno Assis – Baixo e Vocais
Bernardo Novais – Guitarra
Rafael Luciano – Bateria, Trompete e Vocais

Contatos e Links
E-mail: robotobanda@gmail.com
Telefone: (31) 98712-7996
Website: https://www.robotooficial.com/

Mídias Sociais
Facebook | Instagram
YouTube | BandCamp

Streaming
Spotify | Deezer
Soundcloud | Apple Music

 

Padrão
Editorial

Rocket Five: uma banda que realmente trabalha em conjunto

Nascida em 2014, mas com uma pegada anos 70, a Rocket Five, banda do Editorial desta semana, surgiu a partir do encontro de alguns amigos e também de algumas procuras nas redes sociais, que ajudou os integrantes a encontrar seus guitarristas oficiais!

Depois de dois anos tocando fervorosamente na cena de Campinas, eles compuseram, gravaram e lançaram o primeiro EP da banda intitulado “Rocket Five”, que aliás foi uma das experiências mais marcantes e importantes da vida deles. Hoje, a banda se encontra no processo de gravação independente do seu 1º álbum intitulado “On The Move”, que deve ser lançado ainda neste semestre!

Além disso, possuem o sonho de tocar nos grandes festivais pelo mundo! Estão na lista: Rock in Rio, Monster of Rock e Lollapalooza — que tem no seu criador “Perry Ferrel” um grande exemplo de empreendedor.

A banda é caracterizada pelo Hard Rock dos anos 70 e se inspiram em bandas como Deep Purple, que, aliás, é a banda em que eles mais se inspiraram, principalmente por conta dos teclados. Porém, também possuem influências em Black Sabbath, Led Zeppelin!

5 integrantes, 5 vozes

Uma das características que mais chamam a atenção na banda é a versatilidade de vozes, visto que todos os integrantes assumem os vocais principais em determinadas músicas. Além do mais, todos participam ativamente também do processo de composição e arranjos, o que encorpa e faz das músicas um trabalho realmente em conjunto. Tá curioso? Veja como fica o resultado dessa mistura abaixo:

Em nossa conversa descontraída, eles nos contaram que cada um vê a vida de uma forma, possuem rotinas diferentes, profissões diferentes e tudo isso contribui para que a composição seja completa e única, algo que eles consideram ser responsável por grande parte de sua autenticidade. Essa é uma característica que nasceu até um pouco pela necessidade, já que não tinha na banda um vocalista 100% frontman, então decidiram que todos seriam esse cara em determinadas músicas. Desta forma, em diferentes canções um assume o vocal principal e em outras assumem até dois fazem esse papel.

Obrigado por participar do Editorial Banda desta semana, Rocket Five! Ficamos contentes de poder ter uma maior aproximação com vocês, para além dos trabalhos que vocês fazem. Parabéns pela autenticidade na forma de fazer o que vocês se propõem a executar! Boa sorte e contem com o Rock Startup nessa caminhada!

Integrantes da banda

Leonardo Meliani – Voz/ Órgão/ Teclados
Ricardo Marks – Voz/ Baixo
Júlio Pilenso – Voz/ Bateria
Eduardo Haszler – Voz/ Guitarra
Bruno Jorge – Voz/ Guitarra

Trabalhos da banda

2016 – EP “Rocket Five”
2016 – Videoclipe da música “Goin’ Everywhere”
2018 – Lançamento do Álbum

Contatos e links
E-mail: rocketfive@outlook.com
Telefone: (19) 98428-1668
Website: https://rocket-five-release.webnode.com
Agência: http://www.msmetalagencybrasil.com/ptbr/artista-rocket-five/

Mídias Sociais
Facebook | Instagram
YouTube

Streaming
iTunes | Spotify | Deezer
Google Play | Soundcloud

Padrão